Setembro amarelo. Cada vida importa!

P Mais - Setembro Amarelo

No mês de setembro nas redes sociais e nas mídias começam a aparecer várias campanhas sobre o setembro amarelo.

Mas, afinal o que é o setembro amarelo?

Trata-se de uma campanha brasileira que levanta a bandeira sobre a prevenção ao suicídio, a data escolhida é o dia 10 de setembro, o dia mundial de prevenção ao suicídio.

A campanha tem como objetivo salvar vidas através do diálogo, do acolhimento, e da informação. Levando esclarecimento as pessoas que pensam em pôr o fim na sua própria vida.

A ideia é lhes mostrar que elas não estão sozinhas e que a morte não é a solução.

Qual a importância de abordar o tema?

A campanha busca a ampliação do diálogo pela população geral, que pode ajudar na prevenção ao suicídio de algum conhecido ou ajudar  na busca do autoconhecimento.

Estima-se que cerca de 90% dos suicídios poderiam ter sido evitados com ajuda psicológica, a maioria dos casos é causado por doenças mentais não tratadas.

O suicídio sempre foi um tabu, por envolver o peso do luto para o familiar, além de tabus religiosos e culturais.

Por muito tempo abordar o tema ou conversar com as pessoas sobre o assunto foi evitado.

Na mídia o tema também não é abordado com frequência, pois a divulgação dos casos poderia estimular outras pessoas a comentaram este ato, também conhecido como efeito Werther (suicídios por imitação).

Apesar da própria OMS (Organização Mundial da Saúde)  desaconselhar a divulgação de métodos e processos de suicídios, o diálogo sobre o tema é fundamental para o acolhimento.

Mas, como identificar alguém com pensamento suicida, se nem todos dizem que vão se matar?

Nem todos vão declarar abertamente que estão pensando em tirar a sua vida, porém na grande maioria dos casos as pessoas nos trazem indícios de sofrimentos, mudanças de hábitos e rotinas, além de frases sempre sem perspectiva ou esperança no futuro.

É comum encontrar pessoas que já pensaram em se suicidar pelos mais diversos motivos, sejam eles por dificuldade financeira, familiar, abusos, pela perda de autonomia da idade, pela mudança na rotina, descobertas de doenças, e por doenças de cunho psicológico.

É importante evitar comentários que minimizem a dor e o sofrimento do outro, frases como: “Mas ele só fez essa tentativa para chamar atenção”, “se realmente quisesse ter se matado, faria desta forma…”, “isso é falta de Deus!” …. Frases nesta conotação, só mostram a dificuldade de ser colocar no lugar do outro e não ajudam em nada, pelo contrário, atrapalharam e maximizam a sua dor.

Substituía o “chamar atenção” por: “tem algo que eu posso fazer para te ajudar?”.

A melhor maneira de ajudar alguém com pensamento suicida é oferecer o ombro amigo, mostrar-se disponível e ser empático.

Esteja aberto a ouvir, a acolher, a não julgar ou minimizar a dor do outro, e se possível, acompanhe e indique a um profissional capacitado para atendimento psicológico ou médico.

Falar é a melhor solução! Cada vida importa!

Precisa de ajuda? 188 CVV (24h por dia)

A importância da saúde mental do colaborador nas organizações

Saúde no trabalho

Segundo a organização mundial da saúde, no mundo mais de 300 milhões de pessoas sofrem com a depressão, e mais de 26 milhões convivem com transtornos de ansiedade.

O Brasil é um dos campeões mundiais de casos de depressão. Esta enfermidade que acomete cerca de 3% a 11% da população, e sendo mais frequentes em mulheres.

Os episódios depressivos são uma das 10 principais causas de afastamento de colaboradores de suas funções laborais, segundo dados de 2017 do INSS.

Segundo analises de benefícios concedidos pelo o INSS , os CID’s (classificação internacional da doença)  relacionados aos transtornos mentais, tem uma media 6,6 dias de afastamento, contra 2,2 dias de afastamento relacionado a outros grupos de CID.

Entre as principais causas de afastamentos por transtornos mentais no trabalho, podemos destacar:

    Cargas excessivas de trabalho, que exigem do colaborador um desempenho além do possível, metas inatingíveis e cobranças extremas;
    Tarefas e responsabilidades inadequadas, além das competências dos colaboradores;
    Falta de clareza na definição das metas, objetivos e expectativas;
    Assédio Moral e bullying;
    Má gestão, liderança tóxica e políticas internas inadequadas.

Aqui na P Mais Terceirização percebo uma priorização e apoio a saúde mental dos colaboradores com ações de prevenção, identificação precoce, tratamento e apoio  sempre englobando ações voltadas para a saúde física e ações de bem estar.

Entre estas ações que podem ser aplicadas, destaco:

    Clareza de propósitos, objetivos, descrição das responsabilidades e competências e feedback continuo;
    Ações de conscientização;
    Incentivo a pratica de exercícios, lazer e alimentação saudável;
    Tratamento igualitário a todos os colaboradores;
    Temperatura agradável, mesas adequadas, cadeiras anatômicas;
    Flexibilização de horário da jornada de trabalho.

Quando é tomado estas posturas nas organizações, cria-se um ambiente corporativo mais agradável.

A redução de pressão sob os funcionários diminui o estresse, tornando as tarefas do dia a dia mais agradável, ocasionando diminuição nos afastamentos por episódios depressivos e de ansiedade, e o aumento da produtividade e satisfação do colaborador torna-se evidente.

E você, o que tem vivido na sua organização com relação a este tema?